#AgentesTransformadores ::: Episódio #3 com Rogerinho #R9 e o Futebol de Amputados

IMG_8536.jpg
*Escrito por Felipe Oliveira

Saiu do forno o terceiro episódio da web-série #AgentesTransformadores. E esta edição acabou vindo em dose coletiva!. =]

Já falamos algumas vezes por aqui das inspirações do nosso movimento e de que o objetivo maior desta série é poder dar voz a histórias de personagens incríveis que possuem suas vidas ligadas e transformadas pelo futebol.

Pois então esta nova história não poderia ser diferente. Fomos conhecer Rogério de Almeida, mais conhecido como Rogerinho #R9, o maior atleta de futebol de amputados no Brasil. No decorrer desse texto você vai notar que a comparação com o Ronaldo Fenômeno não é por acaso. 

Tudo começou quando encontramos o perfil do Rogerinho navegando pelo Instagram. Logo de cara já deu para perceber que o cara era fera mesmo e que precisávamos conhecer sua história mais a fundo.

Passado alguns dias nós pegamos a estrada rumo a Mogi das Cruzes/SP para acompanhar o treino do Corinthians/Mogi de Futebol de Amputados, time onde Rogerinho é o artilheiro e também presidente da equipe. 

Desde nossa chegada fomos muito bem recebidos por todos da equipe, atletas e comissão. O treino acontece em uma quadra society localizada no centro esportivo da Universidade de Mogi. Logo ao chegar perto da quadra, o Rogerinho já nos chamou para fazer uma disputa de penalty com ele. Claro que perdemos. A conversa boa e energia positiva já começou ali.

Foi bacana poder ver e conhecer mais de perto a estrutura da equipe e da modalidade em geral. O Rogerinho fez questão de nos contar um pouco mais sobre isso durante nossa conversa. 

"O Corinthians/Mogi foi um dos times pioneiros na modalidade. Começamos este trabalho há bastante tempo aqui em Mogi, e em 2015 firmamos essa parceria com o clube do Corinthians. Hoje já são 18 equipes espalhadas pelo Brasil, e temos um calendário de competições no decorrer do ano, Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil". 

A relação de Rogerinho com o futebol já acontece há bastante tempo. Ele nos falou sobre seu início no esporte. 

"Com sete anos conheci o futebol e comecei a tomar gosto pela modalidade. Eu jogava na rua, de muleta. Junto com as crianças normais, e com o passar dos anos comecei a jogar também na minha escola. Na época meu professor de educação física, disse que independente de eu ter alguma deficiência, eu poderia estar fazendo a prática esportiva normalmente." disse o R9. 

A fama de artilheiro surgiu logo no início da carreira. Já no primeiro campeonato disputado Rogerinho terminou com o posto de artilheiro máximo da competição. E, acredite se quiser, desde então ele é o artilheiro de todos os campeonatos que disputou. Já são quase 500 gols na carreira, o que faz de Rogerinho o maior artilheiro disparado da história da modalidade

A chegada na seleção Brasileira não demorou muito para acontecer. Desde 2009 Rogerinho veste a amarelinha nº9 da seleção da modalidade. As comparações com o Fenômeno não demoraram para acontecer. E o craque curtiu a ideia:

"Cheguei na seleção e no início peguei a oito. Então um dia surgiu a oportunidade de trocar pela camisa nove. Eu troquei. Comecei a fazer gols e logo surgiu o apelido R9. Eu sempre gostei do Ronaldo Fenômeno então eu gostei. Nosso estilo de jogo é parecido também. Até já fiz duas tatuagens em homenagem a ele", disse o R9. 

Já são diversos títulos na carreira. Tanto com o Corinthians/Mogi, como também pela Seleção Brasileira

  Equipe da Seleção Brasileira de Futebol de Amputados. Equipe vai em busca de título inédito na disputa da XV Copa do Mundo de Futebol de Amputados. Competição acontece em outubro deste ano, em Guaralajara, no México. 

Equipe da Seleção Brasileira de Futebol de Amputados. Equipe vai em busca de título inédito na disputa da XV Copa do Mundo de Futebol de Amputados. Competição acontece em outubro deste ano, em Guaralajara, no México. 

Os próximos objetivos do #R9 são a conquista do Campeonato Brasileiro pelo Corinthians/Mogi, campeonato que será disputado agora no segundo semestre. E o mais importante de todos: a disputa da Copa do Mundo da modalidade, que vai acontecer em outubro deste ano no México. O craque está com uma boa expectativa para o torneio . Será mais uma viagem e experiência internacional na carreira. 


"O futebol já me proporcionou muitas coisas na vida. Pude já disputar muitas competições pela seleção, e o Mundial no México será a principal da minha carreira. Estamos treinando fortes para chegar bem e conquistar o título", frisou o R9. 

Além dos feitos, conquistas e trajetória dentro de campo, o Rogerinho nos contou também bastante coisas sobre o poder transformador do futebol na vida das pessoas e sobre seu desenvolvido como um dos líderes e porta-voz da modalidade no Brasil. 

"Eu sou administrador de empresas. E além de atleta, sou também presidente do time. Sou daqui de Mogi mesmo, e sempre conheci bastante gente na cidade. Fui estruturando e conversando com as pessoas, e aos poucos consegui juntar parceiros e colocar o projeto de pé. Treinamos duas vezes por semana e jogamos praticamente todos finais de semana. Nosso projeto atende hoje 33 atletas. E muitos deles chegaram aqui bastante desacreditados e desmotivados", comentou R9. 

Foi muito bacana poder ver o trabalho ativo de inclusão e reabilitação social que a modalidade oferece para muitos atletas e poder conhecer pessoas que são exemplos vivos do poder que o futebol tem como ferramenta de desenvolvimento social e empoderamento pessoal.

Além do bate papo com Rogerinho, pudemos acompanhar todo o treino da equipe, sentir toda a energia boa e alegria do pessoal. Também tivemos a chance de conhecer mais de perto a história de outras atletas, como do goleiro Gabriel e do meia atacante William. Ambos atletas também da Seleção Brasileira. 

 "Meu nome é Gabriel. Sempre joguei futebol. Até que tive o acidente e fiquei sem um braço. Fiquei bastante desanimado e praticamente tinha desistido de jogar bola. Até que conheci o projeto e comecei a praticar a modalidade. Hoje sou jogador da Seleção Brasileira. Já viajei para quatro países para jogar futebol. O Rogerinho eu considero o meu segundo pai", comenta Gabriel, goleiro, 22 anos, titular do Corinthians e da Seleção Brasileira.

Cada atleta com uma história de vida diferente. Mas todas elas carregadas de doses de superação, força de vontade, determinação e talento.  Rogerinho já nasceu com a sua deficiência devido a uma má formação congênita. Já William, assim como Gabriel, se tornou uma pessoa com deficiência após um acidente onde teve sua perna amputada. 

"Tive um acidente de carro e acabei amputado minha perna. Logo depois já conheci o projeto e comecei a me dedicar. Hoje eu aconselho a reabilitação esportiva para qualquer pessoa que tenha um acidente ou alguma adversidade. Posso dizer que o futebol realmente mudou minha vida", declarou o #W10 como é chamado. 

Ja era tarde quando o treino acabou. Chegou o momento de pegar a estrada e voltar para São Paulo/SP. Sentimento de alegria, e muito aprendizado e inspiração adquirida. Mais uma história de uma pessoa transformada pelo futebol. Mais uma história contada pela Ginga.Fc. 

Rogerinho foi a personagem do 3º episódio da série #AgentesTransformadores. Confira abaixo o vídeo completo deste papo e visita ao treino do Corinthians/Mogi. Não deixa de seguir nosso canal no YouTube ;)

E em breve novas histórias vêm por aí. Aproveite também para assistir e rever os dois primeiros episódios da série. O primeiro com Raquel Freestlye. E o segundo episódio com Mariana Neves

#AgentesTransformadores - Episódio 03: Rogerinho #R9

[Ficha Técnica] 

Produção & Roteiro: Felipe Oliveira e Felipe Rigolizzo

Edição: Felipe Oliveira

Texto: Felipe Oliveira

Idealização: Christiane Mussi, Felipe Oliveira & Felipe Rigolizzo

Agradecimentos: Corinthians / Mogi - Futebol de Amputados